Operación Jaro: o final dum prolongado processo repressivo

Agencia Mp3*. LQS. Diciembre 2020

Reclamamos o fim da vulneraçom de todos os seus direitos e a sua liberdade e compromissos amplos, como os que nós recebemos generosamente, para lograr ambos. Ninguém deve estar presa ou preso por luitar e trabalhar pola liberdade da Galiza, o direito de autodeterminaçom e a independência nacional

Comunicado Causa Galiza:

Causa Galiza, organizaçom independentista e socialista, quer fazer públicas e compartilhar as seguintes análises e reflexons perante a sentença ditada ontem polo tribunal espanhol de exceçom sobre o sumário da Operación Jaro, que supom o final dum prolongado processo repressivo iniciado há cinco anos. Um processo que mantivo durante este tempo a nossa Organizaçom num limbo politico e judicial alimentado desde o tribunal de exceçom:

1. A sentença evidencia a inconsistência absoluta do processo que a Guardia Civil iniciou em 2015 com o nome de Operación Jaro. Nem «braço político», nem «enaltecimento», nem «integraçom em banda armada». As grossas acusaçons de Jorge Fernández Díaz, Francisco Martínez e Arsenio Fernández de Mesa ficárom absolutamente deslegitimadas incluso para o tribunal de exceçom política. O desenlace do processo evidencia que tipo de personagens ocupam os mais altos níveis de direçom e responsabilidade no Ministerio del Interior espanhol. Hoje é o dia para lembrar como o delegado del Gobierno de España naquela altura, Santiago Villanueva, anunciava em TVG a «desarticulaçom» de Causa Galiza sob a acusaçom de ser o «braço político» dumha imaginária organizaçom armada, ou como PP e PSOE arroupárom a operaçom contra o independentismo galego, ativamente ou com o seu silêncio cúmplice.

2. O objetivo final da operaçom policial, que era aumentar o número de presos e presas políticas e colocar o independentismo na ilegalidade, nom se consumou. O «fracasso» soma-se a tentativas anteriores como a Operación Castiñeiras de 2005 contra a Assembleia da Mocidade Independentista (AMI). O ridículo público da Guardia Civil e a sua condiçom de braço armado da repressom política ficárom absolutamente espidos nesta ocasiom. O processo supujo umha prolongada extorsom política, organizativa e psicológica liderada por um corpo militar contra o movimento político que defende a independência nacional deste País como única alternativa possível à continuidade da dependència colonial. Nom o lográrom. Seguimos e seguiremos seja qual for o nível de repressom aplicado.

3. A solidariedade democrática do País, que desbordou todos os marcos habituais, foi um elemento necessário para conseguir este resultado. Vaia desde aqui o nosso mais sincero agradecimento para todos os agentes sociais, sindicais e políticos e aos milhares de pessoas que nestes cinco anos longos dérom um passo à frente perante a repressom política do Reino de Espanha. Atrevemo-nos a dizer que, hoje, a defensa das liberdades democráticas e os direitos civis é mais forte na Galiza.

4. O servilismo da prática totalidade dos meios de comunicaçom de massa, que dérom cobertura a cinco anos de repressom, já era manifesto desde 2015, mas agora fica absolutamente espido: o papel de La Voz de Galicia e TVG, como buques insígnia da campanha repressiva contra o independentismo, vulnerando a «presunçom de inocência», adjudicando delitos indemonstráveis, etc., ficou completamente evidenciado. Meios ao serviço da desinformaçom social e da estratégia repressiva da Guardia Civil.

5. Causa Galiza continuará com o seu trabalho político em favor da independència nacional e o socialismo para a Galiza como vimos fazendo desde a nossa refundaçom em 2014. Nos próximos meses solicitaremos a plena legalizaçom e registo como organizaçom política para seguir a desenvolver esse trabalho político incansável. Animamos os e as independentistas a se organizarem politicamente para continuar na luita pola liberaçom nacional e social da Galiza. Aliás, após meses de estagnamento provocados pola pandemia da COVID-19 e a necessidade de enfrentar todas as frentes do processo repressivo, anunciamos o relançamento do processo de atualizaçom coletiva de diagnósticos, estratégia e folha de rota independentistas que baptizamos como Processo Trevinca. Esta será umha das nossas principais tarefas para os próximos meses.

6. Processos como o vivido som o produto de esquemas policiais franquistas de repressom política, mas, também dos interesses materiais e económicos das cloacas policiais, mediáticas e judiciais, onde dezenas de pessoas vivem, literalmente, da organizaçom de montagens como a que hoje remata.

7. O nosso pensamento está agora com os e as independentistas que se encontram em prisom. Mais umha vez, reclamamos o fim da vulneraçom de todos os seus direitos e a sua liberdade e compromissos amplos, como os que nós recebemos generosamente, para lograr ambos. Ninguém deve estar presa ou preso por luitar e trabalhar pola liberdade da Galiza, o direito de autodeterminaçom e a independência nacional. Reclamamos a excarceraçom imediata de todos os independentistas galegos e galegas que continuam em prisom.

Na Terra, em 23 de dezembro de 2020
Viva Galiza ceive!
DMQE

* Causa Galiza

Galiza – LoQueSomos

Síguenos en Facebook: LoQueSomos Twitter@LQSomos Telegram: LoQueSomosWeb Instagram: LoQueSomos

2 comentarios en «Operación Jaro: o final dum prolongado processo repressivo»

  • el 24 diciembre, 2020 a las 14:05
    Enlace permanente

    Una pregunta que nos vamos haciendo de unas a otras… tenemos la respuesta: Denantes Mort@s Que Escrav@s

    Respuesta
  • el 24 diciembre, 2020 a las 14:01
    Enlace permanente

    Hola compas, una curiosidad qué significa las letras finales: DMQE????
    Salud y seguir así! Fuerza para el 2021

    Respuesta

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

Este sitio usa Akismet para reducir el spam. Aprende cómo se procesan los datos de tus comentarios.

Nos obligan a molestarte con las "galletitas informáticas". Si continuas utilizando este sitio aceptas el uso de cookies. más información

Los ajustes de cookies de esta web están configurados para "permitir cookies" y así ofrecerte la mejor experiencia de navegación posible. Si sigues utilizando esta web sin cambiar tus ajustes de cookies o haces clic en "Aceptar" estarás dando tu consentimiento a esto.

Cerrar